Sala de imprensa e o networking virtual à sua mão

Sala de imprensa e o networking virtual à sua mão

Ter uma forma inovadora de fazer networking pode ser mais fácil do que você imagina. Redes sociais, apps, chats, tudo que está ao nosso alcance pode ser um facilitador desse processo que sempre foi muito bem visto na imprensa, mas que parece estar em extinção.

 Como fazer networking em tempos corridos, quando não se sai mais da redação e nem do escritório. Quem aí é do tempo áureos dos almoços de aproximação com os jornalistas? Aqui, a gente está apostando na tecnologia como uma aliada definitiva dessa questão. Vamos avaliar, juntos, como ela pode atuar na hora de promover esse networking ainda tão necessário?

Conhecer pessoal de redação, nos dias de hoje, é uma luta diária. Primeiro, por pura falta de tempo, dos dois lados. Segundo, porque os jornalistas estão sempre mudando, de editoria, de veículo, de assunto. E aí preciso manter esse vínculo, até mesmo para não se perder nessa mudança contínua que o mercado está sofrendo.

Para fazer networking, hoje, é preciso usar a tecnologia como aliada. Os grupos de Whatsapp e Facebook estão aí para provar que:

  1. Dá para conhecer pessoas de todos os tipos, lugares e editorias lá;
  2. Dá para oferecer pautas, sim, e emplacar matérias;
  3. Dá para usar essas ferramentas para fazer algo super construtivo: discutir o mercado e os rumos que ele deve tomar.

No networking da vida moderna, só é preciso cuidar para não se perder

A única, ou uma das únicas implicações da questão do networking online diz respeito ao mundo virtual em si, que compete a todas as relações. Como não estamos na frente do outro, passar dos limites e se perder é bem fácil. E isso pode colocar tudo a perder. Já vimos grupos de assessores se tornarem verdadeiros ringues depois de uma mensagem mal compreendida, por exemplo. É preciso uma dose extra de cuidado e de bom senso.

O encontro virtual pode favorecer, entretanto, a sugestão de pautas, o questionamento do que realmente interessa ao veículo ou jornalista em questão, pode ser uma forma leve de trabalhar a informação sobre os clientes para um público seleto e, ao mesmo tempo, mais amplo. Aprimora os relacionamentos, otimiza tempo, tem uma série de fatores que são facilitadores.

Então, conta pra gente se você interage virtualmente com a imprensa e como funciona essa questão aí pra vocês. É algo a ser aprimorado? É favorável? O que a gente pode fazer para ajudar esse relacionamento a ser ainda mais assertivo? De nada adianta a gente querer que o resultado chegue, é preciso dar aquele empurrãozinho, não é mesmo?

Conta pra gente e vamos juntos melhorar o mercado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(https://www.pressmanager.com.br/wp-content/uploads/2017/07/login-page-3.jpg);background-size: initial;background-position: top center;background-attachment: fixed;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 650px;}div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container.dfd_stun_header_vertical_parallax {-webkit-transform: -webkit-translate3d(0,0,0) !important;-moz-transform: -moz-translate3d(0,0,0) !important;-ms-transform: -ms-translate3d(0,0,0) !important;-o-transform: -o-translate3d(0,0,0) !important;transform: translate3d(0,0,0) !important;}