Notícias em ano de copa do mundo e eleições

  • plataforma completa de gestão online para Assessorias de Imprensa

    Já falamos um pouco sobre esse tema aqui (Ano de eleição, o que muda?): 2018 vai ser um ano ímpar para coberturas de imprensa e quem trabalha com divulgação precisa estar antenado para não perder timing e espaço.

    Sim, em ano de Copa do Mundo e eleições, gerar notícia fora desses temas será um grande desafio. Você está preparado para orientar seus clientes e amenizar expectativas? Nós sabemos que os olhos da mídia vão estar focados nesses acontecimentos e tudo vai girar em torno do verde e amarelo. Amigos de imprensa, ajudem: como conseguir espaço com notícias que destoem dos assuntos políticos e futebolísticos?

    Por aqui, estamos acompanhando os planejamentos de nossos clientes assessores e sabemos que alguns mercados serão mais afetados: mais especificamente quem foca na grande mídia e tem lançamentos e notícias factuais que cruzem com as datas de jogos e da votação. Mesmo quem dialoga mais com as mídias de variedades ou tem um foco bem específico, como por exemplo decoração, moda e alimentação, terá que trabalhar pautas com um quê de Brasil, não tem jeito.

    O fato é: estamos em um ano ímpar para as coberturas de imprensa. Para alguns repórteres, é a oportunidade de colocar seu faro jornalístico na rua. Para outros, é hora de encontrar saídas inteligentes para continuar em alta na atenção dos leitores/expectadores/ouvintes. Ninguém sai ileso de um ano com dois grandes eventos, não é mesmo?

    Notícias em ano de copa do mundo e eleições

    Não tem muito segredo, é preciso colocar a cabeça para pensar em dados para ajudar na hora de chamar atenção dos veículos e construir um planejamento que possa driblar esse movimento ou dançar conforme a música.

    As equipes de marketing estão cheias de ideias nas cores da bandeira, pode ter certeza. Enquanto os produtos ou eventos não chegam, é preciso uma dose de bom humor para lidar com este ano monotemático e já avisar aos clientes: assim como eles, todo mundo vai dar mais importância para futebol e política em 2018.