Até onde vale a pena seguir com o follow up?

Até onde vale a pena seguir com o follow up?

Está ainda mais difícil falar com a imprensa? O follow-up, nos últimos tempos, vem ganhando ares de artigo de luxo. Isso porque a pandemia levou boa parte das redações para home office e, também, tomou uma grande fatia da atenção dos jornalistas. Como lidar com essa nova realidade?

A pergunta é: até onde vale a pena seguir com o follow-up? Semanas e semanas de tentativa de contato via telefone, e-mails sem retorno e até mesmo grupos de whatsapp mais calados, digamos assim. Sim, a pandemia mexeu inclusive com o jeito de se fazer imprensa.

De certa forma, estamos todos como em “estado de guerra”: existe uma notícia maior que sempre vai tomar o lugar de qualquer uma que não agregue na situação do momento. E, com isso, tudo que não tenha a ver com isolamento social certamente ficará em segundo plano, especialmente no follow-up.

Como nossa função é estudar constantemente o mercado de comunicação para entender como ajudar nossos públicos: assessores e jornalistas, nós nos perguntamos se essa é uma realidade momentânea ou se ela veio modificar efetivamente o jeito de se fazer imprensa.

O follow-up segue sendo eficaz em tempos de pandemia?

O que vemos é um aumento na demanda da imprensa em detrimento da “venda” de sugestões de pauta. Embora ainda valha a regra da exclusividade da informação, ou seja, o veículo sempre vai querer primeiro aquilo que sempre importa mais ao público dele. E, claro, é sempre bom lembrar que, em “estados de guerra”, muito parecidos com o que estamos vivendo agora, são ainda mais importantes as regras de etiqueta.

O que isso significa?

  • Não chamar o jornalista, exceto se tiver algo realmente importante a falar.
  • Avaliar muito bem se a pauta em questão tem a ver com o veículo que está abordando.
  • Ter todos os dados necessários em mãos, para evitar perda de tempo.

Ou seja, aproveitar realmente o follow-up, otimizar o tempo de todo mundo e focar em resultado. O follow-up segue sendo eficaz em tempos de pandemia? Nós acreditamos que sim, especialmente se ele tiver como diminuir o tempo entre a informação que realmente importa e a matéria que o jornalista precisa entregar.

Mas precisamos lembrar que até mesmo a forma de realizar entrevistas mudou. Áudio de Whatsapp e entrevistas por aplicativos de celular são cada vez mais frequentes. Inusitadas, mas frequentes. Quem estava acostumado a dar entrevistas ao vivo, por telefone, em estúdio, pode estranhar e até ficar com um certo gostinho de desapontamento. Mas é necessário se adaptar aos novos tempos. Em todos os sentidos.

A grande questão do follow-up continua sendo a mesma, no final das contas: não ligue sem necessidade, use-o mais para oferecer informações fundamentais e entender a real demanda do jornalista. Caso contrário, os outros meios podem ser mais eficazes e ajudam a manter o bom relacionamento com a imprensa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(https://www.pressmanager.com.br/wp-content/uploads/2017/07/login-page-3.jpg);background-size: initial;background-position: top center;background-attachment: fixed;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 650px;}div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container.dfd_stun_header_vertical_parallax {-webkit-transform: -webkit-translate3d(0,0,0) !important;-moz-transform: -moz-translate3d(0,0,0) !important;-ms-transform: -ms-translate3d(0,0,0) !important;-o-transform: -o-translate3d(0,0,0) !important;transform: translate3d(0,0,0) !important;}